imagem panoramica

Empreender vai além das boas ideias


 

Empreender Vai Além das Boas Idéias
Leia a entrevista de José Dornelas. Autor de diversas obras relacionadas ao tema, Dornelas é especialista em empreendedorismo. Ao Portal UnB, ele explica quais cuidados os futuros gestores devem tomar, quais caminhos seguir e por que muitas vezes o sonho de ser patrão se transforma em pesadelo. A entrevista foi realizada em setembro de 2004. A seguir, os principais trechos.
UnB – Saber empreender é um dom ou essa capacidade pode ser desenvolvida a qualquer hora e por qualquer pessoa?
JOSÉ DORNELAS – Isso é bem polêmico. Há pessoas que nascem despertadas para este dom, ou seja, pessoas que não dependem muito de Búzios ou coisas do tipo para entender de empreendedorismo. Mas o que a gente tem percebido nos últimos anos é que, cada vez mais, pessoas conseguem ter sucesso a partir de conhecimentos técnicos e ferramentas bem-sucedidas. Ou seja: você tem tanto aqueles que nascem “prontos”, como aqueles que podem aprender saídas para se tornar um empreendedor.
UnB – Para quem o sucesso chega mais rápido?
DORNELAS – Não existe uma resposta formatada para isso. O sucesso depende de muitas variáveis. Não adiantam só as características pessoais. Há muitas pessoas que se preparam e aí suas chances de sucesso aumentam.
UnB – O senhor tem muitos trabalhos na área de empreendedorismo corporativo. Este conceito é novo no país. Ele pode ser aplicado no setor público?
DORNELAS – Sim, sem dúvida. Empreendedorismo pode ser definido de uma forma abrangente com alguns enfoques. O primeiro refere-se a comportamento. A postura empreendedora não é privilégio apenas daqueles que abrem negócios. Você pode ter comportamento empreendedor no governo, numa pequena empresa e dentro de uma grande organização. O que diferencia um do outro é a forma como o empreendedorismo acontece, a questão de criação, de geração de valor, de aproveitar uma oportunidade. Dentro de uma grande empresa você tem mais recursos, mas por outro lado existem mais regras a serem seguidas e você sempre tem de estar negociando com as pessoas para implementar seus projetos. Numa pequena empresa você, num primeiro momento, tem autonomia total, é dono do negócio, mas o acesso a recursos é mais limitado para quem está começando. No governo há um mito histórico sobre burocracia, mas há muitas pessoas que conseguem, pelas vias tradicionais, fazer a diferença. É possível empreender em qualquer tipo de organização, basta que você identifique a oportunidade.
UnB – O que o mercado espera de um bom empreendedor?
DORNELAS – O mercado, na verdade, não tem expectativas em relação ao empreendedor. Ele quer o atendimento das suas necessidades. Quando o mercado procura um produto de qualidade, busca o melhor possível. Se ele procura um bom serviço, quer a mesma coisa. No governo, quem é o mercado-alvo? Somos todos nós, que queremos qualidade, atendimento, agilidade. A expectativa não é em cima do empreendedor, mas sobre o que a empresa ou o lugar onde ele trabalha tem a oferecer.
UnB – A que riscos o gestor em início de carreira está sujeito. Quais são os erros estratégicos mais comuns?
DONELAS – Geralmente, é falta de foco. Ou seja: você tenta fazer tudo ao mesmo tempo sem ter os recursos, a empresa não tem visão de aonde quer chegar. A falta de planejamento também é um problema sério. Às vezes as pessoas começam sem conhecimento e preparação. Saber identificar os parceiros e os sócios adequados é fundamental. As alternativas de capitalização do negócio também são um erro comum, pois muitas vezes os empreendedores captam empréstimos muito ruins.
UnB – No Brasil, empreender está muito ligado a “coragem de fazer”. Quem busca mudar de área ou mesmo implementar o próprio negócio deve tomar que precauções?
DORNELAS – A primeira coisa é não ficar analisando quanto dinheiro há no bolso. É preciso identificar-se com o negócio a ser lançado, gostar daquilo. Os negócios que têm mais chance de sucesso são montados por pessoas que, de alguma forma, têm alguma experiência naquela área. Perguntas como ‘tem mercado para isso? Tem clientes em potencial? Quem são os meus concorrentes?’ são importantes. Depois identificar os sócios adequados para o negócio, evitar endividamento excessivo e se o planejamento mostrar que há possibilidade de sucesso aí você parte para o negócio. O que não pode acontecer, e é o que a maioria faz, é começar movido só pela coragem, achando que a persistência é o ingrediente básico. São ótimas qualidades, mas não garantem sucesso. É bom ter em mente que o negócio não dará retorno num primeiro momento, é algo que demora e tem de ser maturado.
UnB – Equilibrar expectativas e resultados é muito difícil. Qual a receita para não se frustrar?
DORNELAS – O empreendedor deve estipular metas de longo, médio e curto prazos. Na medida em que ele cumprir essas metas, estará obtendo sucesso. A motivação principal é a auto-realização. O que não pode é colocar o sonho muito abrangente e muito distante e no meio do caminho perceber que as coisas estão complicadas. Isso frustra.
UnB – O fator lucro, então, não é necessariamente um sinal importante para que o dono julgue se o negócio vai bem ou vai mal?
DORNELAS – Não, mesmo porque nenhuma empresa dá lucro imediatamente. É preciso um pouco de paciência. O empreendedor tem de estar consciente disso.
UnB – Como o empreendedor pode selecionar os parceiros ou sócios para transformar o sonho em realidade?
DORNELAS – A primeira coisa é se conhecer. Ele deve saber que tipo de pessoa o complementa. Ninguém é bom em tudo. É importante saber o que fazer, como fazer e se você gosta daquilo. Muitas vezes o empreendedor traz pessoas para o negócio usando o critério da amizade ou mesmo laços de parentescos, mas não necessariamente consegue com isto um complemento ao negócio. Esse é um erro comum e compromete não só o negócio em si como, às vezes, até a amizade.
UnB – Empreender é um trabalho de equipe?
DORNELAS – Com certeza. A máxima que existe é que o empreendedor é o Super-Homem, mas, ao contrário. O verdadeiro empreendedor tem habilidades muito interessantes de liderar e de trazer pessoas para a equipe que vão fazer o negócio acontecer. Quando se fala em empreendedorismo o significado é que pessoas em conjunto se completam e transformam aquele negócio em um algo de sucesso.
* José Dornelas é Ph.D., especialista em empreendedorismo, consultor e conferencista. Autor de Empreendedorismo: transformando idéias em negócios e professor visitante no Babson College, EUA.