Mais notícias

Secom UnB

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL - 03/05/2012

Versão para impressão Enviar por e-mail
Edu Lauton/UnB Agência
 

CAD estuda ampliação das bolsas permanência

Decanato de Assuntos Comunitários apresentará detalhes do programa. Estimativa é de que demanda represente quase o dobro da oferta disponível atualmente


Francisco Brasileiro - Da Secretaria de Comunicação da UnB



 Tamanho do Texto

O Decanato de Assuntos Comunitários vai apresentar na próxima reunião do Conselho de Administração (CAD) levantamento completo sobre o programa Bolsa Permanência e outros de assistência estudantil. Os dados foram solicitados pelos conselheiros na reunião do colegiado realizada na manhã desta quinta-feira, 3 de maio. Segundo eles, o número de bolsas não supre a demanda de estudantes de baixa renda que estudam na UnB.

A concessão do benefício, no valor de R$ 465 mensais, tem como propósito diminuir a evasão nos cursos dando condições para que os estudantes em situação de vulnerabilidade socioeconômica arquem com as despesas básicas para se manterem na universidade. Uma ampliação de 500 para 1 mil bolsas foi aprovada no ano passado pela Câmara de Assuntos Comunitários (CAC) e já está sendo praticada, mas os professores avaliam que o aumento ainda não é suficiente.

Durante a reunião, a professora Carmenísia Jacobina Aires apresentou relatório solicitando alterar a resolução 14/2009 do CAD para incluir a ampliação aprovada pelo CAC. “Para elaborar o relatório levantei os dados da Diretoria de Desenvolvimento Social sobre a demanda pelo programa”, explica. “No ano passado a procura chegou a 1.772, número que ainda está muito acima da quantidade de bolsas”. Carmenísia, que é diretora da Faculdade de Educação, pontuou as dificuldades que os alunos de baixa renda sofrem para manterem-se nos cursos. “Em alguns casos os estudantes deixam de assistir aula porque falta o dinheiro da passagem”, afirma.

DEMANDA - Marcelo Bizerril, diretor da Faculdade UnB Planaltina (FUP), reforçou a importância do benefício. “Na FUP, 60% dos estudantes estão no grupo 1 e 2 de vulnerabilidade socioeconômica”, disse. “Temos uma realidade muito diferente do campus Darcy Ribeiro, na minha experiência o auxílio é muito necessário”.

O professor Jurandir de Souza, diretor do Instituto de Química, destacou a necessidade de que mais dados sobre o programa sejam apresentados para que o conselho delibere pela criação de novas vagas para a bolsa. “Gostaria de saber se temos estatísticas de como essas bolsas estão sendo utilizadas e distribuídas”, afirmou. 

A decana de Assuntos Comunitários, Carolina Cássia, comprometeu-se a apresentar o relatório na próxima reunião do CAD. O documento já foi apresentado na CAC e inclui detalhes sobre a demanda pelas bolsas e distribuição do benefício pelos quatro campi da universidade - além de informações detalhadas sobre os outros programas de assistência estudantil oferecidos pela UnB. Também ficou acordado que a resolução da bolsa permanência será alterada para que ampliações possam ser feitas sem que seja exigida a criação de novas resoluções. “Assim, o aumento do número de bolsas estaria condicionada apenas à disponibilidade de recursos”, explica a decana.

Todos os textos e fotos podem ser utilizados e reproduzidos desde que a fonte seja citada. Textos: UnB Agência. Fotos: nome do fotógrafo/UnB Agência.

Pesquisar Noticias [ ]

Fale conosco pelo
e-mail secom@unb.br