Mais notícias

Secom UnB

HOMENAGEM - 12/06/2009

Versão para impressão Enviar por e-mail
Roberto Fleury/UnB Agência
 

Engenheiro Carlos Lisboa recebe o título de Professor Emérito

Professor e outros três servidores da Faculdade de Tecnologia foram reconhecidos por serviços relevantes prestados à UnB
João Campos - Da Secretaria de Comunicação da UnB



 Tamanho do Texto

Na tarde de quarta-feira, 10 de junho, a Universidade de Brasília conheceu o seu 64º Professor Emérito. O título, concedido aos docentes aposentados na UnB que atingem posições de destaque em atividades universitárias, foi concedido ao engenheiro eletricista Carlos Lisboa, um dos fundadores do Departamento de Engenharia Elétrica da Faculdade de Tecnologia (FT). Na cerimônia, o reitor José Geraldo de Sousa Junior também homenageou os servidores da FT Cícero Evimarde, Maria Williani e Valdelice Leite com o Mérito Universitário, honraria entregue pelos serviços relevantes prestados à comunidade universitária.

A história de Lisboa na UnB começou  há 42 anos. Em fevereiro de 1967, ele deixou o Rio de Janeiro para ajudar a fundar o Departamento de Engenharia Elétrica na recém inaugurada FT. Na universidade, ele fez grandes amigos, aprendeu, ensinou e chegou ser preso na invasão de policiais no campus durante a ditadura militar, em 1968. “Grande parte da minha vida está aqui. Fico honrado com a homenagem”, afirmou. O professor, que ministrou as disciplinas Circuitos Elétricos I, II e III, dedicou o discurso emocionado aos professores que teve, da escola ao pós-doutorado no exterior.

Roberto Fleury/UnB Agência
 

Conhecido como “caríssimo”, pelo carisma dedicado aos colegas e alunos, Carlos Lisboa deixou discípulos na UnB. O professor do departamento e responsável pelo discurso em homenagem ao docente, Antônio José Ribeiro, refere-se à Lisboa como “mestre”. “Lembro-me dele, ainda na década de 1960, 1970 com o inseparável jaleco branco, as canetas cuidadosamente dispostas no bolso. O quadro negro, ele transformava em verdadeiras obras de arte. Nos fazia pensar”, comentou Antônio, que estava entre os cinco formandos da primeira turma graduada pelo homenageado no departamento.

Depois da homenagem, começaram os depoimentos para os servidores da Faculdade de Tecnologia. “A UnB é formada pelas pessoas que a acompanham. A qualidade delas é que determina a grandeza ou o fracasso da universidade”, declarou o professor José Camargo da Costa, diante dos convidados. Costa se referia aos serviços prestados pela assistente da diretoria da FT e amiga, Valdelice, que não escondeu a emoção. Em seguida, foi a vez de o técnico Cícero ouvir as palavras do professor Silmar Alves em sua homenagem.

Roberto Fleury/UnB Agência
Maria Williani, Cícero Evimarde e Valdelice Leite são homenageados com o Mérito Universitário

“As dezenas de homenagens ao Cícero, prestadas semestre após semestre pelos alunos durante as colações de grau, são a prova da importância dele no laboratório da FT”, comentou Silmar durante o discurso, acompanhado atentamente pela família de Cícero. Por fim, a servidora aposentada do Departamento de Engenharia Elétrica Maria não conteve as lágrimas ao ouvir a declaração do irmão, e também servidor da UnB, José da Silva. “Há mais de 30 anos, ela chegou aqui e nunca perdeu a humildade e a sensibilidade que carregou durante essas três décadas de dedicação à universidade”, disse.      

Todos os textos e fotos podem ser utilizados e reproduzidos desde que a fonte seja citada. Textos: UnB Agência. Fotos: nome do fotógrafo/UnB Agência.

Pesquisar Noticias [ ]

Fale conosco pelo
e-mail secom@unb.br


RECONHECIMENTO

 

O título de Professor Emérito é concedido pela UnB desde a década de 1970. Entre os homenageados - que passam a participar das decisões e debates com a comunidade acadêmica como conselheiros - estão o escultor e símbolo da arte brasiliense Athos Bulcão e os ex- reitores João Cláudio Todorov e Lauro Morhy.

Já o Mérito Universitário é entregue desde 1997 para personagens marcantes da UnB, como o sociólogo e ativista pelos direitos humanos no Brasil, Herberet de Souza, o Betinho, e o ex aluno de geologia da universidade, desaparecido durante o regime militar, Honestino Monteiro Guimarães.