Mais notícias

Secom UnB

UnB CEILÂNDIA - 16/09/2011

Versão para impressão Enviar por e-mail

CARTA DO REITOR DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA: DIÁLOGO PELO CAMPUS DE CEILÂNDIA

José Geraldo de Sousa Júnior


 Tamanho do Texto

Sexta-feira, 16 de setembro de 2011. Os estudantes de Ceilândia ocupam o Salão de Atos da Reitoria há três noites. Passada a tensão inicial da ocupação e as primeiras rodadas de negociação realizadas por minha equipe, sinto-me na responsabilidade de esclarecer a comunidade sobre nossa proposta de acordo e de apelar ao bom senso dos vários atores que protagonizam o movimento.

Reitero a justiça da pauta inicial de reivindicação dos estudantes e reconheço que as atuais condições de trabalho em Ceilândia estão no seu limite.  Porém, as instalações são provisórias. O novo campus nasceu de uma parceria entre a UnB e o GDF para a expansão da universidade nas cidades do DF, incumbindo-se o governo de construir dois prédios.

Quero o campus de Ceilândia em pleno funcionamento como todos os alunos, professores e técnicos. Não ganho nada com o atraso nas obras. Mas é uma realidade que não correspondeu às nossas expectativas e com a qual temos que lidar. É nesse sentido que peço que cada um reflita sobre o que estamos propondo aos estudantes.

A pauta inicial dos alunos, como podem ver em documento anexo, tinha 13 itens. Construímos o entendimento sobre 12. Todos os aspectos relacionados à conclusão das obras foram atendidos para garantir no menor prazo possível as plenas condições de ensino, pesquisa e extensão na FCE.

A Universidade propôs ao GDF romper o contrato com a empresa que fazia a obra e assumir a execução de um dos prédios. Também solicitei ao GDF que o outro prédio seja construído em regime de urgência. No final da tarde de hoje, recebi documento do secretário de Obras do GDF formalizando o aceite à proposta da Universidade.

A conclusão dos prédios, eu acredito, é o principal tema da pauta inicial dos estudantes. Dela, resta uma pendência: a apuração das responsabilidades por agressões físicas e danos ao patrimônio público ocorridos na manhã de terça-feira. Todos sabem que sou um defensor da negociação e da tolerância. Não criminalizo o movimento estudantil, reconheço sua legitimidade e sua história de lutas. O próprio movimento afirma que não se reconhece na agressão.

Pois bem, da pauta inicial essa é a única pendência. Mas na quinta-feira, surgiu um novo pleito proposto pelo Conselho da Faculdade de Ceilândia e acolhido por estudantes e professores. Trata-se da suspensão do vestibular até que todos os prédios do novo campus estejam prontos. Não posso concordar com isso.

O vestibular é uma conquista da comunidade de Ceilândia e um compromisso histórico da UnB, assumido pelo Conselho Universitário para a ampliação do acesso ao ensino público.

Compreendo, no entanto, a intenção de evitar que as aulas continuem em instalações provisórias no próximo semestre. Por isso, minha proposta é discutir a questão de forma realista em função do estágio das obras antes do início do próximo semestre. Continuarei a fazer todo o possível para que, até lá, Ceilândia tenha seu campus em plenas condições de funcionamento. Seguirei praticando o diálogo sincero e fraterno com todos que defendem o crescimento e a consolidação dos quatro campi da Universidade de Brasília. 


José Geraldo de Sousa Junior
Reitor da UnB

 

ATENÇÃO
O conteúdo dos artigos é de responsabilidade do autor e expressa sua visão sobre assuntos atuais. Os textos podem ser reproduzidos em qualquer tipo de mídia desde que sejam citados os créditos do autor. Edições ou alterações só podem ser feitas com autorização do autor.

Pesquisar Noticias [ ]

Fale conosco pelo
e-mail secom@unb.br